Infeção por COVID-19 não parece afetar a função pulmonar em jovens adultos

Resultados de investigações apresentadas no Congresso da ERS mostraram que, aparentemente, a função pulmonar dos jovens adultos não é afetada pela COVID-19. 

No primeiro estudo para investigar o impacto da infeção por COVID-19 na função pulmonar, os investigadores liderados pela Dra. Ida Mogensen, do Instituto Karolinska, Suécia, descobriram que nem os doentes com asma apresentaram um resultado estatisticamente significativo de deterioração da função pulmonar.

Um segundo estudo mostrou que a função pulmonar em crianças e adolescentes também não foi prejudicada após infeção por COVID-19, exceto nos que sofreram de infeção grave.

“A pandemia de COVID-19 levantou questões sobre se e como o pulmão é afetado após a eliminação da infeção por SARS-CoV-2, especialmente em jovens da população em geral com doença menos grave. Até agora, isso não era conhecido”, explicou a Dra. Ida Mogensen.

E continuou: “A nossa análise [que incluiu 661 jovens com idade média de 22 anos] mostrou uma função pulmonar semelhante, independentemente da história de COVID-19. Quando incluímos 123 participantes com asma na análise, os 24% que tiveram COVID-19 tenderam a ter uma função pulmonar ligeiramente inferior, mas não foi estatisticamente significativo”.

Não houve diferença na função pulmonar entre os doentes que tiveram COVID-19 no que diz respeito a eosinófilos, indicadores de inflamação, respostas alérgicas ou uso de corticosteroides inalados. “Esses resultados são tranquilizadores para os jovens. No entanto, vamos continuar a analisar dados de mais pessoas. Em particular, pessoas com asma, visto que o grupo neste estudo era bastante pequeno. Também estamos curiosos para saber se o período de tempo após a infeção é importante, bem como a gravidade da doença e dos sintomas.”

O segundo estudo, apresentado pela Dr.ª Anne Schlegtendal, especialista em Medicina pediátrica e adolescente e Pneumologia pediátrica no University Children’s Hospital, Ruhr-University-Bochum, Alemanha, analisou os efeitos a longo prazo da infeção por COVID-19 entre agosto de 2020 e março de 2021 em 73 crianças e adolescentes com idade entre cinco e 18 anos.

“Embora as crianças e adolescentes tendam a sofrer sintomas menos graves da infeção por COVID-19, até à data existem apenas evidências preliminares sobre os efeitos a longo prazo. É importante avaliar isso, já que crianças em todo o mundo serão potencialmente infetadas com SARS-CoV-2, desde que as vacinas sejam predominantemente reservadas para adultos e grupos de alto risco.”

Foram realizados testes de função pulmonar entre duas semanas e seis meses após a infeção por COVID-19 e compararam os resultados com um grupo de controlo de 45 crianças que não tinham sido infetadas com o coronavírus, mas podem ter sofrido de alguma outra infeção. Os participantes tinham diferentes gravidades da doença. Uma infeção foi considerada grave se o doente sofreu falta de ar, febre acima de 38,5º por mais de cinco dias, bronquite, pneumonia ou se permaneceu no hospital por mais de um dia.

Dezanove crianças e adolescentes no grupo COVID-19 apresentaram sintomas novos ou persistentes após a infeção por SARS-CoV-2; oito relataram pelo menos um sintoma respiratório, seis dos quais sofriam de problemas respiratórios contínuos e dois apresentavam tosse persistente. Dois desses oito doentes apresentaram função pulmonar anormal.

“Quando comparámos os doentes COVID-19 com o grupo de controlo, não encontrámos diferenças estatisticamente significativas na frequência de função pulmonar anormal. Estas ocorreram em 16% do grupo COVID-19 e em 28% do grupo de controlo. No entanto, uma análise posterior revelou uma redução no volume de ar nos pulmões que pode ser exalado após uma respiração profunda – capacidade vital forçada – em doentes que sofreram uma infeção grave, seja COVID-19 ou alguma outra infeção”, avançou a responsável.

A Prof.ª Doutora Anita Simonds, presidente da ERS, comentou os resultados dos dois trabalhos. “Já sabemos que este grupo tem menos probabilidade de sofrer doenças graves se contrair o vírus, e estes estudos, que incluem grupos comparativos sem COVID-19, mostram que também têm menos probabilidade de sofrer consequências a longo prazo em relação à função pulmonar.” “No entanto, pesquisas adicionais podem trazer mais informação sobre os efeitos para pessoas com asma ou que sofrem uma infeção respiratória grave, seja COVID-19 ou outra causa infeciosa.”

Próxima notícia