Um caso raro de hemoptise

Dr.ª Marta Carvalho Silva

Interna de Pneumologia do Hospital de Braga

Caso clínico 

Cateter tip – a rare case of hempotysis

Introdução: As hemoptises são um sintoma comum e o seu diagnóstico pode ser desafiante, existindo múltiplas etiologias possíveis. 
Caso clínico: Doente de 59 anos, do género feminino, com antecedentes de neoplasia da mama em 2010 submetida a tumorectomia, quimioterapia, radioterapia e hormonoterapia, que recorreu ao SU por hemoptises e tosse produtiva. Realizou TC do tórax que detetou discretas bronquiolectasias no lobo superior direito e alguns micronódulos centrilobulares no lobo inferior ipsilateral sugestivos de processo infecioso com disseminação endobrônquica e identificou uma estrutura tubular no interior da artéria pulmonar, provável CVC, com uma das extremidades no ramo do segmento posterior do lobo superior direito e a outra no ramo segmentar para o segmento anterior do lobo inferior direito adjacente ao brônquio segmentar.

Perante o achado a doente referiu ter conhecimento de que após término da QT foi removido o CVC há 6 anos, sendo que a sua extremidade ficou acidentalmente no interior do organismo.

Foi considerada a etiologia infeciosa como a mais provável para as perdas hemáticas sem, no entanto, excluir a hipótese da ponta do CVC no interior da artéria pulmonar. 

Foi medicada com antibiótico, não tendo recorrência de hemoptises. Realizou broncofibroscopia que não revelou alterações relevantes. Sem isolamento de agentes infecioso no LBA e citologia negativa para células malignas. 

Foi avaliada por Cardiologia que realizou cateterismo pulmonar com objetivação de um fragmento de ponta de cateter com trajeto a envolver dois sub-ramos da artéria pulmonar direita com as duas extremidades inacessíveis. No entanto, através do movimento de twist com um cateter pigtail, foi recuperada uma das extremidades do CVC para a artéria pulmonar principal tornando-o acessível, o que permitiu recuperar a ponta de cateter através do introdutor femoral. 
Conclusão: Apresentamos um caso de um achado imagiológico detetado durante o estudo de hemoptises, mas que poderá ter contribuído para as mesmas, podendo corresponder assim uma etiologia rara.

Próxima notícia